Menino escreve carta a Obama porque quer ajudar criança síria

Menino escreve carta a Obama porque quer ajudar criança síria


 

A carta de um miúdo americano enviada ao Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que a citou quinta-feira, 21 de setembro, na conferência das Nações Unidas sobre os refugiados, onde pede para receber um refugiado em sua casa, já se tornou viral na Internet.

O pequeno Alex resolveu escrever a carta ao Presidente quando viu as imagens de Omran Daqneesh, o menino sírio de cinco anos, que ficou conhecido como um novo símbolo da guerra na Síria.

A criança foi resgatada coberta de pó e sangue após a sua casa ter sido atingida num bombardeamento.

Menino escreve carta a Obama porque quer ajudar criança síria

O olhar vago, tranquilo e distante de Omran também não passou despercebido a Alex, um menino de seis anos, que vive nos arredores de Nova Iorque. Alex sentou-se à mesa da cozinha e escreveu uma carta ao presidente dos Estados Unidos.

Menino escreve carta a Obama porque quer ajudar criança síria


Esta é a carta que Alex escreveu, na íntegra, traduzida:

“Caro Presidente Obama, lembra-se do rapaz que foi recolhido por aquela ambulância na Síria? Pode por favor ir buscá-lo e trazê-lo para nossa casa? Estacione na entrada ou na rua e nós vamos estar à vossa espera com bandeiras, flores e balões. Vamos dar-lhe uma família e ele vai ser o nosso irmão.

A Catherine, a minha irmã mais nova, vai apanhar borboletas e pirilampos para ele. Na minha escola eu tenho um amigo da Síria, o Omar, e eu vou apresentá-lo ao Omar e podemos brincar todos juntos. Podemos convidá-lo para festas de aniversário e ele vai ensinar-nos outra língua. Podemos ensinar-lhe Inglês também, tal como ensinámos o meu amigo Aoto do Japão. Por favor, diga-lhe que o seu irmão vai ser o Alex, que é um rapaz muito simpático, tal como ele.

Como não vai trazer brinquedos e não tem brinquedos, a Catherine vai partilhar com ele o seu coelhinho de peluche azul. E eu vou partilhar com ele a minha bicicleta e ensiná-lo a andar nela. Vou ensiná-lo na Matemática a somar e subtrair. E ele pode cheirar o baton pinguim da Catherine que é verde. Ela não deixa ninguém tocar nele. Muito obrigado! Estou ansioso para que ele chegue! Alex, 6 anos”.

Barack Obama leu a carta de Alex na Cimeira de Líderes sobre os Refugiados, que decorreu esta semana, em Nova Iorque. “A humanidade que uma criança pode apresentar, que não aprendeu a ser cínica, ou desconfiada, ou com medo de outras pessoas por causa do sítio de onde elas vêm, ou da sua aparência, ou da sua religião, e que apenas tem noção de que deve tratar alguém que é como ele com compaixão, com bondade – podemos todos aprender com o Alex”, disse Obama.