Gémeos abraçam-se dentro do útero e salvam-se

Gémeos abraçam-se dentro do útero e salvam-se


 

Rowan e Blake são gémeos, foram gerados no mesmo saco amniótico e corriam o risco de se estrangularem. Mas passaram uma parte da gestação abraçados e salvaram-se.

A gravidez monocoriónica e monoamniótica é uma condição rara, que corresponde a 1% das gestações, e envolve grande risco porque os bebés partilham a mesma placenta, a mesma membrana amniótica, isto é, a mesma “bolsa das águas”, e podem morrer devido ao entrelaçamento dos cordões umbilicais.

Este foi o caso de Rowan e Blake, filhos de Hayley Lampshire, de 27 anos, que enfrentava a possibilidade de ficar sem os seus filhos, já que a taxa de mortalidade nestes casos chega ao 50%. Todavia, os pequeninos mantiveram-se quietos e praticamente abraçados até ao momento do parto.

Hayley e o seu marido Charlie, ambos ingleses, casaram em 2015 e alguns meses depois souberam da gravidez. “Quando fizemos a ecografia das 12 semanas, descobrirmos que eram gémeos e ficamos em choque, porque não sabíamos como iríamos tratar de dois bebés”, contou a mãe ao jornal inglês The Mirror.

Hayley adiantou, ainda, que na mesma ocasião soube que seria uma gravidez de risco. “Eu e meu marido ficamos muito tristes porque os bebés estavam em perigo”, revelou.

À medida que a gravidez avançou, o risco e a preocupação aumentaram, mas os bebés permaneciam quietos e, garantiu a mãe, algumas das imagens das ecografias mostram os bebés abraçados e até de mãos dadas.